A IMPORTANCIA DO ESPIRITO DE OBEDIENCIA

Em um Congresso para Frequentadores que realizei, observei um jovem membro que estava dedicando. Dirigi-me até ele e convidei-o para participar de uma reunião com jovens que realizava todos os sábados. Percebia que era um rapaz que não se entrosava muito com as pessoas. Bastante orgulhoso, não aceitava a vontade de ninguém a não ser a sua.

Ele começou a participar das reuniões e, um dia, veio conversar comigo, confessando-se abertamente um “encrenqueiro”. Brigava com todo mundo no serviço e nunca pedia desculpas. Ele ia me contando suas dificuldades mas, por nenhum instante, julgava-se errado. Ouvi-o e, a seguir, orientei-o sobre o que Meishu-Sama diz a respeito de “humildade”: “Você conhece o pé de trigo? Sabe como ele é?” “Sim, eu sei” – respondeu. “Pois então, sabe que o pé de trigo, quanto mais carregado de grãos estiver, mais curvo é. Já o que possui poucos grãos, não se curva, está sempre em pé, ereto. Com os seres humanos acontece o mesmo: as pessoas com bastante conteúdo interior se curvam, estão sempre prontas a entender, ajudar e não precisam mostrar que são maiores que ninguém. Já os orgulhos nunca pedem desculpas, nunca pedem desculpas, nunca se curvam, porque possuem poucos grãos, pouco conteúdo inferior”.

Falei-lhe tudo isso de forma rigorosa, mas com amor. Ele compreendeu o que eu havia dito e começou a praticar. Ele não sabia, mas eu havia repetido e explicado de forma bem doce o que Meishu-Sama orienta no Ensinamento “Treino de Humildade”. Com esforço, ele começou a mudar e essa mudança foi gerando seu crescimento espiritual. Pediu desculpas pela primeira vez no serviço, causando admiração nos colegas, tornou-se menos “encrenqueiro” com as pessoas em geral e, em casa, com os irmãos e a mãe.

Com este primeiro resultado positivo, abriu-se um caminho para que eu pudesse orientá-lo de forma mais direta, fazendo com que confiasse em mim. Ele relegava os estudos a segundo plano. Só pensava na aparência, em fazer halterofilismo, musculação, cultuava seu porte atlético. Disse-lhe para largar tudo isso, pois estava no tempo de estudar, de aprender.

-Mas eu gosto de fazer halteres.

-Fazer o que se gosta é fácil, mas não gera crescimento. Precisamos aprender a fazer o que não gostamos. Isso sim, exige esforço e gera crescimento.

Ele novamente obedeceu, voltou a estudar, entrou na faculdade e, com esforço nos estudos, foi fazer o que gostava: Educação Física. Esse rapaz contava vinte e dois anos quando foi convidado a ser sócio em um empreendimento e quase largou tudo para ganhar dinheiro. Pelo tipo de negócio, teria que parar de estudar. Quando veio me contar, procurei dissuadi-lo: “Você está em idade de aprender, de estudar. Dos trinta e um aos sessenta anos, você pratica tudo que aprendeu e depois dos noventa, descansa.”

Dessa vez, ele aceitou minha orientação, praticou-a, mas não por muito tempo. Sua ambição era mais forte, e ele acabou não resistindo a um segundo convite, feito por uma firma de representações. E nessa, como não dar certo. Ele queria mesmo era ganhar dinheiro, ser microempresário, satisfazer muito seu “ego”.

A principal característica de um líder deve ser a OBEDIENCIA Meishu-Sama era rigoroso com isso. Ele disse que para quem seque docilmente o que ele ensinou, tudo corre bem, sem fracassos, e que há pessoas que não são bem-sucedidas por terem “Ga” (eu,ego) muito forte. É realmente penoso ver os constantes fracassos decorrentes do “Ga”. Esse jovem, por bem, aprende purificando.

Essa sociedade durou três anos, e ele acabou não ganhando o dinheiro que esperava. Veio conversar comigo novamente. Chorando e bastante emocionado, disse-me:”Sensei, me arrependi de ter decidido tudo sozinho, contra sua orientação. Sinto que perdi muito tempo na Obra Divina, pois com esse trabalho e mais faculdade, diminuí bastante minhas dedicações. Estou vendendo minha parte na sociedade e, com esse dinheiro, vou para o Solo Sagrado no Japão.”

E continuou: “Já que entrei nessa firma com o intuito egoísta de ganhar dinheiro, afastei-me das dedicações e da minha missão. Agora, todo esse investindo que fiz por mim, vou retornar para Meishu-Sama, indo ao Solo Sagrado e dedicando mais. Descobri que, indo contra as orientações, não tendo espírito de obediência, a gente “quebra a cara” mesmo”.

E ele dizia que iria me “provar” que daria tudo certo!… Foi ao Solo Sagrado em julho de 1991, vendeu o carro para pagar a viagem ao japão para a irmã, que é membro também, e foram juntos buscando servir e ser úteis, criando o espírito de obediência à Vontade de Deus.

Hoje, ele é um jovem que cuida de uma área de 600 membros dentro de sua Igreja e dedica intensamente na Obra Divina.

Retirado do livro: ‘Encontrando um caminho’

14902046939_51a756d381_z

Leis da Natureza: O universo precisa de ordem

O maior problema da humanidade foi ela ter se distanciado das Leis da Natureza nos últimos três mil anos. Por isso, nasceu o conflito e no mundo reina o caos. Dentro das Leis da Natureza, uma das coisas mais importantes é a ordem.

Quando nasce um conflito, normalmente a origem é a falta de ordem. Entre marido e mulher existem diferenças. O homem representa o espírito, e a mulher, a matéria. Da mesma forma, o pai é o espírito, e a criança é a matéria. Numa família composta pelos pais e mais duas ou três crianças, na maioria dos casos, a esposa não consegue perceber as diferenças e vai obedecendo o seu ponto de vista. Ela acha que a criança é indefesa e lhe dá prioridade. Muitas vezes a casa vem em primeiro lugar, a profissão vem depois, e por último o marido. Realmente, nesta ordem, quebra-se a hierarquia que deveria existir.

O ideal deveria ser primeiro o marido, que é o espírito da casa e, depois, os filhos. Se não houver esta obediência, só vai haver conflito. A posição dos móveis da casa também tem muita influência na harmonia do lar e da família. De acordo com as orientações de Mokiti Okada, se uma casa for sobrado, os pais devem dormir no andar de cima e os filhos no andar debaixo. Esta é a ordem.

É bom saber qual o critério para localizar o ponto mais importante da casa. O lugar de honra é o mais afastado da entrada. Assim, o quarto do casal deve ser o mais distante da porta da entrada. No quarto é preciso localizar a parede mais importante para colocar a cabeceira da cama. Se ela for colocada na parede do banheiro, as coisas não vão andar bem, inclusive a saúde, já que a cabeça deveria estar na parte mais importante. Nos escritórios, na parte mais distante da porta é onde devem ficar as pessoas mais importantes. Uma vez fui a um escritório de arquitetura e lá verifiquei que tudo estava fora de ordem, inclusive a mesa do diretor, que estava na entrada e as dos funcionários estavam ao fundo. Pedi para inverter. Havia também um arquivo morto em cima de arquivo vivo, então eu pedi para colocar em ordem. Logo depois todo o ambiente do escritório se harmonizou e os negócios começaram a melhorar bastante. O posicionamento dos objetos é muito importante. Mesmo em uma reunião de diretoria ou gerência, o líder da mesa em que se posicionar do lado da parede mais importante, sempre mais distante da porta, caso contrário, ele não vai conseguir controlar os demais. Mesmo o posicionamento das pessoas na mesa é importante, pois isso representa a parte espiritual, onde o lado direito se subordina ao esquerdo, porque o primeiro representa a parte material.

Também são detalhes interessantes quando cumprimentamos alguém, quando entramos em um ambiente onde existam várias personalidades, níveis de pessoas diferentes, e é preciso haver um critério. Quando visitamos uma família, o chefe desta é o mais importante, portanto o cumprimentamos em primeiro lugar; depois a esposa, o filho mais velho e assim por diante. Em cada circunstância existe uma ordem, uma posição de bom senso que nós temos que utilizar. Pai é pai, e filho é filho. Os filhos não podem perder o respeito pelos pais. Então essa hierarquia não pode ser mudada, o pai é espírito, o filho é matéria, a mãe é espírito, o filho é matéria. Patrão e empregado também, o relacionamento é o mesmo. Não obedecer a Lei da Ordem é como colocar uma pirâmide de cabeça para baixo. Ela não vai se equilibrar.

28986676905_f4075b56ef_z

VOCÊ ESCOLHE O QUE QUER SER

Durante o almoço de domingo, o pai começou a explicar ao filho que aquela maçã, servida na sobremesa, era antes igual aos carocinhos que o filho tinha encontrado dentro dela. Observando a curiosidade do filho, o pai sentiu que precisava explicar melhor: “Olha Pedrinho, esse carocinho que está na sua mão é uma semente de maçã. Nunca vai virar uma laranja e nem uma banana nem outra dessas frutas que estão na fruteira. Se for plantada, vai ser uma macieira que vai dar várias maçãs”. A essa altura, imaginando já uma árvore frondosa, Pedrinho quis saber mais: “Pai, vai ser uma maçã docinha como esta?”

O pai então lhe explicou: “Depende. Pode ser azeda, doce, grande, pequena, dura, macia, saborosa, sem sabor. Isso vai depender da chuva, do vento, da terra, do sol, do calor, do frio, dos animais, das minhocas, dos alimentos que ela tiver na terra para crescer…”. Pedrinho nem esperou que o pai terminasse de falar e, carregando consigo as sementinhas de maçã, correu para o quintal e fez alguns buraquinhos para plantá-las. O pai foi com ele e lhe ensinou a cuidar até que brotassem. De uma semente de maçã, portanto, não se colhe banana nem laranja. Colhe-se maçã, claro. Mas podem-se colher maçãs doces ou azedas, duras ou macias.

A grande diferença é que a fruta é colhida do pé, que está preso ao chão por meio de raízes, enquanto nós temos nossos pés.

Para frutificar, a planta precisa das condições do solo, do vento, dos nutrientes, enquanto nosso pés podem nos conduzir ao terreno mais propício.

Temos o poder de escolher e produzir as condições mais favoráveis para o nosso desenvolvimento pessoal. Você decide a pessoa que é. A cada momento. E, se você não estiver gostando, pode mudar. Pode reprogramar-se.